Brenda Ligia-Cinema,TV,Teatro

Minha foto
Brenda Ligia: prêmio de Melhor Atriz no festival CinePE 2017. Estreias: “Onde Quer Que Você Esteja” (longa/ Macondo Filmes SP); “Causa Mortis” (curta/ LRJ Filmes), “África da Sorte” (série/ TV Brasil), “15 Segundos” (longa/ prod.: Antonio Fagundes). Brenda está nos longas “Todas as Cores da Noite” (Pedro Severien), “As Melhores Coisas do Mundo” (Laís Bodanzky), “Sangue Azul” (Lírio Ferreira), “Bruna Surfistinha” (Marcus Baldini). Atuou nas séries de televisão “Sob Pressão” (Rede Globo), “A Mulher do Prefeito” (Rede Globo), “Beleza S/A” (GNT), “9mmSP” (Fox), “Somos Um Só” (TV Cultura). Formada em Comunicação Social na Faculdade Oswaldo Cruz/ SP. Cursou Técnico Profissionalizante em Teatro no Teatro Escola Macunaíma/SP. Em Teatro, foi dirigida por Wagner Moura na leitura dramática do espetáculo “Tchau, Querida”. Cursou Ciências Sociais na University of the West Indies (Trinidad & Tobago, Caribe) e Francês em Vevey (Suíça). Idiomas: Português, Inglês, Francês. Publicidade: Vivo, Santander, Sebrae, Coca-Cola, Mc Donald’s, Nossa Caixa, Nestlé, Nextel. Também APRESENTADORA e videomaker. CONTATO: brenda.ligia@hotmail.com

29 de julho de 2012

Um pra cada

À esquerda, o mais velho. No meio, a caçula. À direita, o do meio.
(meus irmãos e eu)
Primeiro ouvia-se o tilintar do molho. O chiado da maçaneta, o estalar da dobradiça, o ranger dos passos e, então, o assobio. Sempre às dezenove horas.
Naquele dia ele trouxe uma surpresa: a caixa com furinhos que piavam. Os olhos das crianças brilharam. Três pintinhos: um pra cada, bamboleando pelo balcão.
À primeira bicada, a caçula amarelou. Emburrada, disse que nunca mais iria relar no pinto e nem comer gemada de manhã. Surtou.
O do meio levou o dele pra conhecer o quintal. Mas se desencontraram, e por distração (do petiz, não do filhote) acabou pisando no pobre pinto, esborralhado sem dar um pio. Ploft.
Mas quem mais gostou do presente foi o primogênito, que começou com brandos afagos e foi sucumbindo à empolgação. O moleque achou aquilo fofo, mas tão fofo, que amassou o coitado do pinto até esmagá-lo entre suas mãozinhas. Misericórdia.
Choro em coro. Pais em frangalhos. E só pararam de soluçar durante o adeus aos desenganados no quintal porque o pai, com o pinto vivo na mão, prometeu que  ia trazer três tartaruguinhas no dia seguinte: uma pra cada. 
Por Lenda Brígia
(para meu pai e meus irmãos; em memória dos nossos três pintinhos que viveram e morreram nos anos 80)

Um comentário:

Mariana Afonso disse...

Ótimo texto e linda foto !!
Eu também sou caçula de três irmãos !!
Beijos.