Brenda Ligia-Cinema,TV,Teatro

Minha foto
Brenda Ligia: prêmio de Melhor Atriz no festival CinePE 2017. Estreias: “Onde Quer Que Você Esteja” (longa/ Macondo Filmes SP); “Causa Mortis” (curta/ LRJ Filmes), “África da Sorte” (série/ TV Brasil), “15 Segundos” (longa/ prod.: Antonio Fagundes). Brenda está nos longas “Todas as Cores da Noite” (Pedro Severien), “As Melhores Coisas do Mundo” (Laís Bodanzky), “Sangue Azul” (Lírio Ferreira), “Bruna Surfistinha” (Marcus Baldini). Atuou nas séries de televisão “Sob Pressão” (Rede Globo), “A Mulher do Prefeito” (Rede Globo), “Beleza S/A” (GNT), “9mmSP” (Fox), “Somos Um Só” (TV Cultura). Formada em Comunicação Social na Faculdade Oswaldo Cruz/ SP. Cursou Técnico Profissionalizante em Teatro no Teatro Escola Macunaíma/SP. Em Teatro, foi dirigida por Wagner Moura na leitura dramática do espetáculo “Tchau, Querida”. Cursou Ciências Sociais na University of the West Indies (Trinidad & Tobago, Caribe) e Francês em Vevey (Suíça). Idiomas: Português, Inglês, Francês. Publicidade: Vivo, Santander, Sebrae, Coca-Cola, Mc Donald’s, Nossa Caixa, Nestlé, Nextel. Também APRESENTADORA e videomaker. CONTATO: brenda.ligia@hotmail.com

27 de abril de 2010

Seje, esteje...

Ah! Meus ouvidos ouvem de tudo um pouco, mas "seje" e "esteje" realmente incomodam bastante. Basta!

MENAS a gente tolera. PRA MIM FAZER também. TINHA CHEGO, ok... mas SEJE e ESTEJE representam algo além: a morte do subjuntivo (supostamente aprendido na escola).

Aposto que se o Maneco (de Viver a Vida) resolvesse lançar uma campanha subjuntivista pró-"SEJA & ESTEJA", bastariam 2 ou 3 capítulos da novela nobre para (grande parcela d)o povo brasileiro parar de cometer esse feioso erro em nossa língua mãe. Já imagino esse "merchan linguístico" na boca da monstra da tevê Lília Cabral... ah!

A.U. (adendo urgente)- cena HILÁRIA da Lília Cabral fumando maconha
Concluindo: se o problema fosse dinheiro (pra executar tal ação, na Globo ou onde quer que sejA!), talvez o Ministério da Educação pudesse até liberar algum... afinal, fica clara uma falha grotesca no sistema de ensino fundamental brasileiro. Se a maioria da população fala errado, é porque não aprendeu direito na escola. Pública. Ponto.

8 comentários:

João Sales disse...

Pode ser que eu esteJE enganado, mas existem meNAS pessoas preocupadas esse POBLEma, do que imaginamos.
Será SÍ NÃO É?

Cliver disse...

Essas coisas me arrepiam. Nota-se que conjugar os verbos com mim vem se tornando cada vez mais aceito, não me surpreenderia se virasse regra, pois os próprios professores cometem esses equívocos. Ainda pior são os neologismos como um dia ouvi: "Aí a gente famos!"

Tânia regina Contreiras disse...

Garota, o texto de seu perfil é uma delícia! rs Seus textos,numa fluidez, gostosos de ler. Ok, acredito que muita coisa boa poderia ser aprendida via tevê, acontece de se aprender de tudo, inclusive as coisas péssimas. Deixe, contudo, eu dar uma outra abordagem aos chamados "erros" da língua... que ainda prefiro chamar de variantes linguísticas. Tem coisa engraçada ("eu havia FALO", por exemplo...)...tem "erros" que possuem um sentido oculto... Depois que li "Preconceito linguístico - o que é, como se faz", de Marcos Bagno, ah...passei a olhar com carinho a questão das variações linguísticas. E tem o meu amado (sou hiperfã) Manoel de Barros, com suas "ignoranças", que é uma maravilha... Sei lá, é tudo pra pensar e rever.

Gratíssima pela sua visita, adorei seu blog e vou aqui seguindo.
Beijos

Crioula disse...

Nossaaaaaaaa, vi que vc segue meu blog. Na verdade nem sabia q tinha gente q segue aquilo. Adorei o teu, venho aqui mais vezes. parabens!!!

Ana Paula disse...

Oi... vim te visitar, adorei e estou te seguindo!!!
Visite o meu tb quando puder.
http://mamaequetrabalha.blogspot.com/
Bjosssssssssss

jaque eller disse...

Os meus professores de inglês quase nao cometem esses erros,falam quase igual a americano, falam tanto em inglês que esquecem de falar sua propria lingua nativa, mas o de prof. portugues "Meus Deus" SEJE na boca deles...

jaque eller disse...

Ahhh! o filme divã é hilarioooo!!

Jefferson de Morais disse...

Eu, que sou estudante de Letras, fico repleto de felicidade quando vejo alguém que não é da área se preocupando com o correto uso da linguagem padrão.
Acho muito interessante você abordar o assunto aqui no blog.

Abraço,
Jefferson